Avulso: Testemunho de uma colher e sua poção

truth_potion_by_artlanding_dbd4409-fullview
https://www.deviantart.com/artlanding

Aqui estou, em um saquinho de plástico, descartada na calçada e esperando meu derradeiro final.

A história de minha existência passa por minha memória. Confeccionada com a mais pura prata de Potosi, fui ornamentada em Paris e exportada para um fino shopping na burguesia paulistana.

Lembro do rosto simpático daquela senhora e suas pérolas, me encarando na loja. “É esse. Pode embrulhar”. “Isso, presente de casamento”.

Minha vida foi de festas e baquetes. Por anos, eu era apenas requerida em momentos especiais: presenciei pianos ao vivo ressoando em minha estrutura metálica, degustei o caramelizado soupe à l’oignon e o adocicado panna cotta em meu corpo côncavo. Adentrei por bocas que cheiravam habanos e cognacs.

Mas os banquetes, antes mensais, passaram a ser bimensais. Bimensais, viraram semestrais. E a diversidade dos ingredientes descendeu em mesma proporção.

Quando percebi, apenas uma vez por ano eu saia da caixa. Refletindo em minha superfície luzinhas cintilantes em verde e vermelho, me reduzi a servir pavê.

Minhas irmãs, uma a uma, começaram a desaparecer. Vendidas, penhoradas, trocadas, diziam.

Restou apenas eu. Já esperava meu fim.

Mas uma nova guinada do destino aconteceu. Comecei a ser usada novamente. Neguei a pensar sobre o que era aquele líquido azulado e ácido posto em mim, de espírito tão venenoso. Lutei com todas as minhas moléculas de prata contra a ruína e sigma permanente que aquela substância tóxica poderia provocar em meu corpo.

Diariamente, minha senhora me usava para misturar aquela vil substância com sucos, com sobremesas, com caldos. Eu entrava e saia de uma boca cada vez mais doente e viciada de um homem.

Até que um dia, por fim, o corpo dele sucumbiu. Em uma última colherada, senti a epiglote se contorcer em devaneio, o esôfago regurgitar o vômito vermelho e seu último suspiro embaçar meu espelho.

Bem, já sinto o caminhão de lixo vindo. Única testemunha, serei expurgada a ocultação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: